Porque não fui pra Conchinchina

Eu bem que tinha planos de conhecer o Vietnã de norte a Sul até chegar à antiga capital da Conchinchina, ou seja, de Hanói a Ho Chi Mihn, passando pelas cidades de Hoi An e Nah Trang…

Mas fiquei um tanto frustrada nos meus primeiros deslocamentos pelo país e preferi “estacionar” na ilha de Cat Ba em vez de fazer pinga-pinga. Então, às vésperas do vencimento do meu visto, eu ainda não havia decidido o próximo passo.

boats-vietna

Bom, como o nome Conchinchina tem uma pegada ‘vintage’, resolvi solucionar o mistério que levantei nopost anterio adotando o mesmo estilo. Assim:

Em vez de percorrer o país até chegar à cidade outrora conhecida como Saigon, deixei meu rincão na região da Indochina para vir conhecer o fascinante Ceilão. Perfeitamente, caros leitores, vos escrevo estas mal traçadas linhas instalada no país atualmente conhecido como Sri Lanka!

20160116_173044 (2).jpg

Da maior ilha da baía de Halong para a “ilha resplandecente” (tradução de Sri Lanka em sânscrito), mantendo o conceito de passar mais tempo nos lugares. Tenho muitos desafios pela frente e nenhuma referência sobre trabalho remoto a partir daqui.

Mas Cat Ba também nunca foi um lugar popular para isso e deu certíssimo. Lá entendi porque vários nômades digitais mencionam a tal da #islandlife nas postagens.

Foram 10 dias tranquilos, cercada de inspiração por todos os lados – não resisto ao quase trocadilho – com o bônus de melhorar minha produtividade e qualidade de vida.

soccer-on-the-beach
#islandlife

Aquela sensação de estar no meu canto no mundo bateu novamente e percebi que não tinha a ver com um lugar específico, e sim, com a configuração Paz + Natureza +Liberdade + Segurança.

E até um pouco de rotina.

sunset-catba-islandTodas as manhãs, os meninos da recepção me cumprimentavam com o habitual “Sim Chào” e perguntavam, sorrindo, se eu iria renovar a estadia.

Isso porque eu bookei apenas dois dias e fui ficando, ficando… ficando BEM acostumada!

green-catbaNada como encerrar um dia de trabalho e assistir ao pôr de sol. Jantar sob a luz de lanternas coloridas, tomando uma cervejinha (mais barata que água), papeando e ouvindo boa música no Green Cat Ba ali em frente.

Depois voltar pra dormir… e Repetir.

catba-pier

Além disso, fiquei milionária sem apostar na loteria porque cada milhão na moeda local equivale a R$ 180.

A simplicidade à minha volta tornou a experiência ainda mais rica, no melhor sentido da palavra.

vietnamese-lifestyle

Por falar em experiência, me dei ao “luxo” de ir a um salão de beleza e testar o corte da hair stylist local.

O melhor de tudo aconteceu numa espécie de divã, onde a mocinha lavou meus cabelos e rosto, depois fez uma massagem super caprichada.

salao-de-beleza-vietna
eu curiosa com o trabalho das meninas no salão e o gatinho (embaixo do banco) curioso comigo

Claro que tive de fazer #welfie com todo mundo e muita mímica.

Mas adorei o resultado!

Uma aparou minhas pontas com técnicas profissionais e a outra deixou minha pele tonificada com uma verdadeira drenagem facial, que fazia parte do pacote sem que ninguém ali imaginasse o que é isso.

barbeiro-vietna
(essa seria a alternativa mais popular para cortar os cabelos: a calçada)

Foi ótimo porque na sequência eu tinha entrevistas agendadas na capital e me senti mais preparada para voltar à civilização, rsrs.

Enfim, não fui parar Conchinchina… mas pude levantar muito material sobre o lifestyle e a moda vietnamita nos 20 dias que passei em Hanói —  e vou compartilhar aqui antes de “abrir os trabalhos” no Sri Lanka.

fernanda-prats-vietna

Beijos, Prats

8 Replies to “Porque não fui pra Conchinchina”

  1. Maravilhosa escolha
    Um país que passou e superou os horrores de uma guerra e é produtor do melhor chá preto
    Um clima fabuloso com dois períodos de monção
    Rios constantes como poucos lugares
    Manda muita foto que a fotógrafa é maravilhosa

    Curtido por 1 pessoa

  2. Até mesmo pelo fluxo irregular, em constante mutação, seu Remote Year vem sendo imperdível! Parabéns, Fernanda Prats! Tudo tem a sua cara e a sua alegria. Se eu tiver que indicar 5 blogs de 2015/2016 indico o seu, querida! Vc abre portas e janelas, rasga véus, e afasta com a mão nuvens negras que oprimem o planeta. 2015 foi um ano para não se esquecer. Graças a você, essa afirmação ganha um sentido positivo! Como esquecer, por exemplo, essa
    matéria sobre Sri Lanka, com as mais belas fotos de viagem que eu já vi. “A VIDA É BELA. E EU TÔ NELA !” – essa é a frase que resume sua itinerância. Obrigada, Fernanda Prats!

    Curtido por 1 pessoa

    1. Uau, Maze. Eu estava indo dormir (já é maus de meia noite aqui) mas depois de ler seu comentário nem sei se consigo! A VIDA É BELA E EU TÔ NELA será meu novo mantra.Com todos os perrengues e pequenas vitórias desse dia a dia itinerante… tento encarar com bom humor, boa energia e muita cumplicidade com quem “viaja” comigo por aqui. Beijos

      Curtir

Deixe uma resposta para Mazé C. Manzano Cancelar resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: